terça-feira, 5 de abril de 2011

A história da astronômia



Desde que se conhece por racional, o homem admira e tenta desvendar os mistérios dos astros. 
Seu brilho, movimentos e distância sempre levaram a espécie humana a buscar respostas para entendê-los.
Os antigos sábios gregos acreditavam que a Terra fosse o centro do universo e regente de todo o resto. O homem era o centro e a medida de todas as coisas. 
Apesar de essa teoria ter sido contestada por Aristarco de Samos (310-230 a.C.), através de sua visão de que a Terra girava em torno do Sol, e não o contrário, não foi aceita. Isso porque era mais conveniente considerar que tudo era regido para privilegiar o homem. 
Pensando então nessa conveniência, Cláudio Ptolomeu, astrônomo renomado da escola de Alexandria localizada no Egito, no início da era cristã, desenvolveu o primeiro sistema planetário, chamado de Sistema Geocêntrico. 
Esse nome é devido ao fato do Sistema criado por Ptolomeu afirmar que a Terra era o centro do Universo. Também respondia algumas questões como quando afirmava que o Sol e a Lua desenvolviam órbitas circulares e os planetas desenvolviam uma órbita mais complexa, chamada de epiciclos. 
A teoria heliocêntrica foi aceita por catorze séculos, até que no século XVI, Nicolau Copérnico, um astrônomo polonês, apresentou um novo modelo, o Heliocêntrico. 
Copérnico desenvolveu estudos e apresentou novamente a ideia de Aristarco de Samos, na qual afirmava que o Sol era o centro do universo e que a Terra girava em torno do Sol em órbita circular e, ao redor da Terra, circulava o seu satélite natural, a Lua. 




Pré-história

Durante a pré-história pouco se fez, pois as circunstancias eram de sobrevivência, mas mesmo assim, pinturas rupestres representavam o Sol, a Lua e as estrelas, entre outras coisas. Estudando sítios megalíticos chegou-se à conclusão que os alinhamentos e círculos serviam como marcos indicadores de importantes pontos do horizonte como, por exemplo, as posições extremas do nascer do Sol e da Lua, durante um ano.
Esses monumentos megalíticos eram autênticos observatórios destinados à previsão de eclipses na Idade da Pedra.


Os Egípcios

No Egipto os túmulos dos faraós foram feitos de forma a ficarem com os lados orientados com os pontos cardeais. As pirâmides de Gize matem a orientação de 26 graus, permitindo que da câmara interior se visse a estrela polar e ao mesmo tempo que no vértice da pirâmide, se observava, no mesmo plano, o curso da noite e a passagem das constelações.



A Mesopotâmia

Foi na mesopotâmia que nasceu a astronomia, apesar de terem sida também os criadores da astrologia. A princípio observavam os astros por motivos místicos, mas com o passar do tempo, começaram a deixar o misticismo de lado i passaram a observar pela simples observação. Passaram de astrólogos a astrónomos. Apareceram, então, as primeiras aplicações de métodos matemáticos para exprimir os movimentos da Lua e dos outros planetas.



Os Caldeus

Os caldeus apercebendo-se de que a lua não tem luz própria e que é o astro mais próximo da Terra, constataram que os seus eclipses acontecem quando esta projecta um cone de sombra sobre o trajecto no espaço. Os caldeus observaram o retrocesso dos planetas na sua órbita devido ao movimento da Terra. Foram os caldeus que estabeleceram as dozes constelações do Zodíaco como Hoje as conhecemos, assim como o período de Saros, e o registo em placas de eclipses conjunções lunares, conjunções planetárias e cálculos de posicionamento no espaço, da Terra e da Lua.




A Grécia

Os gregos foram os primeiros a falar em esfera celeste e a considerar que esta girava em torno da Terra.

Astrónomos da Grécia antiga:
• Tales de Mileto pensava que a Terra era um disco plano numa vasta extensão de água.
• Pitágoras de Samos acreditava que todos os corpos celestes eram esféricos. Foi o primeiro a chamar Cosmos ao céu.
• Aristóteles de Estagira explicou os eclipses da Lua e do Sol e propôs que o Universo seria finito e esférico.
• Demócrito disse que a via Láctea era um exame de longínquas estrelas e assegurou que o espaço não tem limites.
• Heraclides de Pontus propôs que a Terra gira sobre o seu próprio eixo.
• Aristarco de Samos foi o primeiro a propor que a Terra se move em volta do Sol, antecipando Copérnico em quase 2000 anos.
• Erásteses fez o primeiro cálculo geodésico conhecido ao medir um fragmento de arco de meridiano terrestre, com uma tal precisão, que lhe permitiu avaliar o tamanho da Terra.
• Hiparco de Nicéia, considerado o maior astrónomo da era pré-cristã, construiu um observatório na ilha de Rodes onde, com as suas observações, compilou um catálogo com a posição no céu e a magnitude de 850 estrelas.
• Ptolomeu foi o último astrónomo importante da Antiguidade. É a ele que se deve uma representação geométrica do sistema solar, geocêntrica, com círculos e epiciclos. É este cientista que aprofunda o modelo de Aristóteles e formula a Teoria Geocêntrica, cuja principal questão se centrava no facto de ele considerar um modelo em que a Terra era o centro do Universo e o sol e os outros Planetas rodavam à sua volta.


Os Árabes

Os árabes conservaram as antigas sabedorias, mandou-se traduzir em árabe alguns escritos de Aristóteles e Euclides, assim como o Almagesto de Ptolomeu e construir os Observatórios de Damasco e Bagodá através dos quais foi possível determinar a obliquidade e a Elíptica, pelos nascimentos e ocasos do Sol nas datas dos Solstícios, bem como o valor do arco percorrido entre os trópicos.







La Astronômia




Fonte : http://www.mundoeducacao.com.br/fisica/a-historia-astronomia.htm




Um comentário:

Professor Quiriate disse...

Bom, excelente material o que vocês encontraram.


Corrijam: Astronômia para Astronomia.